Por que mudança causa medo?

A intuição para escrever sobre isso surgiu durante uma conversa do sábado passado. Falávamos sobre a inflexibilidade de algumas pessoas para aceitar uma novidade sugerida pelo outro. Casais em que um quer adotar um cachorro e o outro não aceita, por exemplo. Por que não aceita? Está bom como está. Estamos bem assim.

Depois de insistências, aceita a adoção e passa a tratar o novo amiguinho como membro da família. Viu? Mudou a vida para melhor! E por pouco não deixou de experimentar algo que você não conhecia, hein.

Associei esse exemplo a uma situação que estou vivenciando agora. Há uma semana, estou me dividindo no trabalho entre o departamento que estou há uns 2,5 anos e um outro que aceitei o convite para conhecer. Tenho achado curioso que recebo a mesma pergunta daqueles que ficam surpresos com a novidade:

O que houve? Aconteceu alguma coisa? Pensei que você estava feliz.

E é aí que te pergunto: de onde surgiu essa regra de que só queremos mudança quando algo vai mal? Tal ideia pode ser um dos fatores que desencorajam as pessoas a quererem mudar. O medo de desestabilizar o que parece estável. A ilusão de que situação cômoda é sinônimo de que tudo está muito bem.

Tem gente que ama vivenciar novas experiências. Sou dessas: apaixonada por “primeiras vezes”. Isso que me move. E credito que muitos outros se reconheçam nessas linhas, seja pelo medo da mudança ou pela vontade de conhecer algo novo.

A mudança, por mais que cause aqueles frios na barriga, é o que abre novos olhares, ensina sobre novas perspectivas e traz boas surpresas e lembranças. Que a gente siga mudando, sempre.

Publicado en español por Masticadores de Letras, miralo aquí.

Foto autoral. Bogotá / Colômbia, 2017.

19 comentários sobre “Por que mudança causa medo?

  1. Hudson

    Lindo texto, Nicole! Reconheço que eu sou “time que tá ganhando não se mexe”! Não por medo, pois já encarei e superei mudanças bem radicais na minha vida! Mas admiro muito a tua vocação de buscar novos desafios e de deixar saudades por onde passa!
    Ah, linda foto!

    Curtido por 2 pessoas

    1. Você é corajoso demais! Sua história de vida já mostra isso. Se fosse “acomodado”, não teria transformado radicalmente a sua vida. E tem a questão de ser outra geração. Agora as pessoas questionam muito a felicidade, principalmente no trabalho. Antes a sobrevivência era o que mais pesada e não havia nem tempo e oportunidades para pensar muito em outras coisas. Não acha?

      Curtido por 1 pessoa

      1. Hudson

        Concordo que os tempos são outros e bem diferentes! Na minha geração, o foco era buscar segurança e estabilidade! A tua geração nasceu e cresceu com muitas informações e isso despertou e desperta a busca pelo “novo”, a inquietude e o inconformismo! Mas essa busca pelo novo sempre existiu e fez o mundo ser o que é hoje! O que mudou foi a velocidade dos acontecimentos! E sempre houve e sempre haverá pessoas “acomodadas” e pessoas “não acomodadas”! E viva a diferença (aprendi com você!!! kkk)!

        Curtido por 1 pessoa

      2. Kkkkk fico feliz por você ter aprendido sobre as diferenças! 😃 E é isso mesmo que você disse sobre o maior acesso à informação e a velocidade das coisas. Tudo está muito rápido. O que não é 100% bom.

        Curtir

  2. leo amaral

    “de onde surgiu essa regra de que só queremos mudança quando algo vai mal?”

    Não é regra. 🙂 É o que geralmente ocorre.: ninguém separa porque está tudo bem no casamento ou vai ao médico por não estar sentindo nada.

    Considerando isso, é normal perguntar se ocorreu algo. 🙂 principalmente se a gente gosta da pessoa. 🙂

    Curtido por 2 pessoas

    1. Leo, entendi seu ponto de vista, mas falo sobre aqueles que tem medo de arriscar quando algo novo aparece.

      Em relação ao casamento, não vivenciei essa experiência, mas imagino que é ter uma análise crítica para saber se é feliz na relação ou acomodado(a). Entender os motivos que fazem continuar.

      Sobre o médico, não necessariamente tem a ver com mudança. É mais rotina, não sei. Digo sobre convites, oportunidades que surgem do nada, curiosidade para experimentar coisas novas…

      Apareça mais! 🙂

      O

      Curtir

  3. Somos duas apaixonadas por primeiras vezes rs
    Tenho dificuldades de continuar sempre no mesmo lugar, fazendo as mesmas coisas. Amo conhecer pessoas, histórias, culturas, enfim tudo que o mundo tem para oferecer. Acho que o mundo é grande e rico demais para nos limitarmos a um único quadradinho!
    Excelente texto 😉

    Curtir

  4. Respondo á pergunta do título: estou escrevendo um poema com este tema: a mudança causa medo, pois as pessoas tendem a ver a vida pelo mu- e esquecem que esta é uma dança… Portanto, é movimento constante…

    Curtido por 1 pessoa

  5. Não tenho medo do novo, mas tenho medo de perder o velho. Não sei se me expressei bem, mas nesses meus 62 anos consegui coisas maravilhosas, sempre arriscando em busca da felicidade, ou melhor, momentos felizes. As vezes as coisas não batem com a pessoa que está ao seu lado e isto infelizmente tolhe a vontade de buscar o novo. Estranho, né?
    Gostei muito do seu texto.
    De agora em diante vou acompanhá-la. Isto é novo! Parabéns

    Curtido por 1 pessoa

    1. Feliz pelo seu comentário, Nelson. Acredito que a maior dificuldade em compartilhar a vida com uma outra pessoa seja o abrir mão de desejos pessoais, né? Eu tenho essa dificuldade. Pra mim, é como se eu fosse um pássaro preso na gaiola. Volte sempre! 🌻

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s