Elas sentem, nós sentimos

Já disse outras vezes, mas é bom repetir: feminismo é lutar para que todas as mulheres tenham o direito de escolha sobre qualquer coisa que impacte suas vidas e ocupem todos os lugares possíveis. Vejo o risco que as mulheres e as meninas estão correndo no Afeganistão e fico agoniada com a impotência.

Para algumas coisas, não conseguimos fazer nada prático para ajudar ou mudar a situação a não ser falar, divulgar, problematizar. E essa é a função desse texto. Pensamos nas pessoas de lá e parece algo tão distante de acontecer no Brasil. Mulheres não poderem estudar mais? Impossível.

Entretanto, no que se refere ao machismo e ao patriarcado, não se iluda. O Brasil está entre os países com mais violência contra a mulher, principalmente dentro da própria casa. Ao mesmo tempo, alguns líderes religiosos usam a bíblia para dizer que a função da mulher é servir ao marido, à casa, à família.

O medo que sentem no Afeganistão é diferente do nosso, mas aqui também há medo. Evitamos caminhar pelas ruas à noite, precisamos prestar atenção onde ficamos no transporte público lotado, sentimos pressão para casar, ter filhos, carreira. Elas sentem lá, nós sentimos aqui.

E o que mais me inquieta é ter a consciência de que quem decide por tudo na nossa vida ainda são homens. Alcançamos o direito ao voto, ao divórcio, ao estudo e ao trabalho, porém sutilezas persistem: alguns planos de saúde – pasme – exigem consentimento do marido para inserir DIU no nosso útero. É, o caminho ainda é longo.

Às mulheres do Afeganistão, na esperança de que não percam seus direitos.

Clique aqui e converse comigo também pelo Instagram.

Foto autoral. Menos armas, mais amor. Rio de Janeiro / Agosto, 2021.

2 comentários sobre “Elas sentem, nós sentimos

  1. elcieloyelinfierno

    Brillante y plausible tu posición!! Pero el doble discurso; se da en todo el mundo. Muchos se llenan la boca; de haber legislado políticas a favor de los Derechos de la Mujer para luego en la realidad el laberinto burocrático y miserable, los pisotee. Cuanto se incrementaron en la primera ola del COVID19, los femicidios y la violencia de genero? Sólo con manifestaciones y el pañuelo verde no basta!! Es necesario que los legisladores y gobiernos promulguen derechos hace tiempo postergados. Un cálido saludo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s